O avanço na tecnologia de controle de acesso


Foi-se o tempo em que as pessoas entravam e saíam de prédios e condomínios dizendo ser conhecido de algum morador, anunciando uma entrega, ou simplesmente acenando para o porteiro. No mesmo ritmo em que as cidades cresceram com todas as suas vantagens e desvantagens, os sistemas de controle de acesso também evoluíram e câmeras de vigilância, interfones e portões eletrônicos estão entre nós há tanto tempo que já fazem parte da nossa vida cotidiana.
 
Mesmo assim, os casos de invasões a condomínios supostamente bem protegidos continuam a ter espaço nos noticiários de todas as cidades. E os números oficiais confirmam a informação: segundo dados da Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina, em 2013 foram registrados mais de mil boletins de ocorrência de invasão e roubos a prédios comerciais e residenciais na Grande Florianópolis, e casos semelhantes têm acontecido em todos os municípios do Estado.
 
Cada vez mais, a população vai dando mais atenção ao controle das pessoas que frequentam seus prédios, e percebendo que a preocupação com a segurança não é só responsabilidade do poder público. Essa foi uma das primeiras questões observadas pelo professor de educação física Guilherme Coelho, há pouco mais de um ano, logo que ele foi eleito síndico do Residencial Monte Parnasse, na região continental de Florianópolis.
 
“Os moradores exigiam equipamentos mais eficientes de controle de acesso, o prédio tem 17 anos e tudo estava muito ultrapassado. Tivemos um caso de um carro que foi arrombado na garagem, o condomínio é assegurado, mas mesmo assim é uma situação que deixa todos meio inseguros”, declara Coelho. “Planejávamos uma reforma no condomínio e incluímos a instalação de câmeras de vigilância de alta resolução e interfone com senhas individuais na mesma chamada de caixa. Fizemos diversos orçamentos e o custo de instalação dos equipamentos foi menor do que imaginávamos”, completa.
 
Muitos síndicos e moradores não imaginam como o avanço tecnológico está possibilitando o surgimento de equipamentos de controle cada vez mais eficientes de acesso a prédios e residências. A mesma modernidade torna esses equipamentos mais populares, e, consequentemente, mais acessíveis a condomínios de todos os tamanhos e orçamentos.
 
Hoje já existem sistemas de segurança que integram diversas plataformas, como interfones conectados a câmeras de alta resolução e a sensores de presença que podem acompanhar toda a movimentação nas entradas, garagens e áreas comuns de um condomínio, como no controle da hora de entrada e saída de um prestador de serviço.
 
O que o mercado conhecia antigamente em termos de proteção era só o alarme; no caso de uma invasão, disparava uma sirene bem barulhenta que espantava o ladrão. Depois vieram as câmeras analógicas, conectadas a um computador com capacidade e resolução limitadas até que surgiram as câmeras digitais de alta definição que podem operar em rede conectadas a outros dispositivos de controle.
 
Segundo ele, a próxima novidade no controle de acesso serão os equipamentos de biometria. A nova geração de identificadores de impressão digital já é à prova de clonagem e os dispositivos de reconhecimento facial são capazes de estabelecer a diferença até entre irmãos gêmeos idênticos.
 
Fonte: condominiosc.com.br/